O mercado brasileiro de suco de fruta industrializado cresceu rapidamente nos últimos anos, em vista de sua maior praticidade de consumo. A maioria dos sucos encontrados no mercado recebe acréscimo de adoçantes artificiais e açúcares dos mais diversos tipos. Em contrapartida, o crescimento do interesse dos brasileiros por uma dieta mais saudável e equilibrada fez com que as indústrias de sucos prontos mudassem a composição dos seus produtos. Dentre os edulcorantes mais utilizados, destacam-se a sucralose, o aspartame e a sacarina.

Recentemente, um estudo publicado na revista Gut Microbes descobriu que altos níveis do consumo de sucralose podem afetar adversamente a composição de bactérias intestinais, contribuindo para a obesidade e o aumento do risco de agravos metabólicos. Reforçando essa evidência, um estudo similar, publicado no Journal of Toxicology and Environmental Health, revelou que o uso exacerbado de adoçantes é associado ao aumento dos riscos metabólicos em jovens saudáveis.

Diante disso, a substituição de adoçantes artificiais em sucos vem sendo executada por algumas marcas. O suco de maçã é um ingrediente comumente utilizado para substituir os adoçantes artificiais e o açúcar de outros sucos de frutas, proporcionando um sabor adocicado e reduzindo em aproximadamente 20% do total de calorias. Em sua forma integral, o suco de maçã fornece todos os nutrientes encontrados em sua polpa, incluindo polifenólicos e vitaminas antioxidantes, principalmente, a vitamina C.

REFERÊNCIAS

ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA. Universidade Federal de São Paulo. Tabela de Composição Química dos Alimentos. Disponível em: <http://tabnut.dis.epm.br/index.php/alimento/09003/maca-crua-com-casca>. Acesso em: 31 jan. 2017.

KIYAH, J. et al. Dietary patterns matter: diet beverages and cardiometabolic risks in the longitudinal Coronary Artery Risk Development in Young Adults (CARDIA) Study. The American Journal of Clinical Nutrition,
v. 95, n. 4, p. 909-915, Apr. 2012.

SUEZ, J. et al. Non-caloric artificial sweeteners and the microbiome: findings and challenges. Gut Microbes, v. 6, n. 2, p. 149-155, 2015.