O processo do envelhecimento é fisiológico e natural e, cada vez mais, a expectativa de vida cresce entre a população. Mesmo diante de todas as alterações no organismo, é possível retardar esse processo por meio dos avanços proporcionados pela ciência. A melhor forma de conquistar a longevidade é a partir da prevenção, que pode ser praticada por meio de cuidados estéticos externos, com a pele, as unhas e os cabelos, e internos, com uma alimentação equilibrada.

Os estudos científicos evidenciam a importância de um planejamento alimentar equilibrado em macronutrientes e, principalmente, em micronutrientes, como vitaminas, minerais, bem como em compostos antioxidantes, os chamados de fitoquímicos, como estratégia eficaz antienvelhecimento.

Os compostos fenólicos e flavonoides, como antocianinas, taninos e outros fitoquímicos presentes largamente nas frutas, atuam na proteção celular por dois mecanismos. O primeiro é impedir a formação dos radicais livres e das espécies reativas de oxigênio nas reações em cadeia com os minerais ferro e cobre a fim de interceptar a formação de lesões nas moléculas de DNA, o segundo consiste em reparar as lesões já causadas pelos radicais livres por meio da reconstituição de membranas celulares.

Os nutrientes e compostos antioxidantes que merecem destaque são a vitamina C, que atua no estímulo para a formação das fibras colágenas e hidroxilação da prolina, também, promove ação fotoprotetora, diminuindo alterações cutâneas e favorecendo a microcirculação na pele; vitamina E, que participa do metabolismo das prostaglandinas na síntese do ácido araquidônico, assim, contribuindo para a inibição da agregação plaquetária e minimização do envelhecimento cutâneo por proteger a membrana celular. Além disso, destacam-se os carotenoides, como o licopeno e betacaroteno, que inibem a oxidação de peróxidos devido ao seu caráter hidrofóbico, que protege os sistemas biológicos contra a ação de radicais livres em excesso.

 

REFERÊNCIAS

PUJOL, Ana Paula. Nutrição Aplica à Estética. Rio de Janeiro: Rubio, 2011.

STRUTZEL, E. et al. Análise dos fatores de risco para o envelhecimento da pele: aspectos gerais e nutricionais. Rev Bras Nutr Clin, v. 22, n. 2, 2007.

CATANIA, A.; BARROS, C.; FERREIRA, S. Vitaminas e minerais com propriedades antioxidantes e risco cardiometabólico: controvérsias e perspectivas. Arq Bras Endocrinol Metab., v. 53, n. 5, p. 550-559, 2009.