A busca pela qualidade de vida, saúde e, principalmente, prevenção de doenças crônicas é fundamental e cada dia mais presente no cotidiano da população. Hábitos alimentares e mudanças no estilo de vida são os principais fatores que precisam de modificação para se alcançar esses resultados e benefícios. Um tipo de dieta que vem apontando novas perspectivas e contribuindo de forma positiva para a saúde é a dieta do mediterrâneo, a respeito da qual muitos estudos científicos têm comprovado sua eficácia.

O termo dieta mediterrânea é referente à dieta tradicional de mais de quinze países que cercam o Mar Mediterrâneo, não apresentando um padrão apenas, visto que são nações de diferentes culturas, religiões e hábitos alimentares. Entretanto o consumo de frutas e sucos naturais, verduras, oleaginosas, grãos, peixes, azeite de oliva e produtos minimamente processados é comum em toda essa região.

Dados epidemiológicos e clínicos demostram que o elevado consumo de frutas e verduras contribui para a diminuição dos riscos de doenças cardiovasculares devido à combinação de micronutrientes antioxidantes, como vitamina C, vitamina E, carotenoides, flavonoides, vitamina B6 e fibras. Um estudo de coorte realizado na Espanha, durante 6 anos, com 41.358 indivíduos, entre 30 a 69 anos, mostrou que há redução da mortalidade com a maior ingestão de frutas frescas e vegetais. Os autores concluíram que esse benefício se dá pela alta ingestão de vitamina C, provitamina A e licopeno. Os efeitos desses compostos podem ser explicados pela ação antioxidante e redução dos marcadores inflamatórios.

Apesar disso, a escassez de tempo e a rotina conturbada das pessoas, atualmente, induzem ao consumo de produtos industrializados com maior frequência. Nesse sentido, pensando na dieta mediterrânea e o tanto de benefícios que ela promove, a alternativa mais eficaz para atender às necessidades das pessoas que não conseguem adquirir frutas frescas todos os dias, é alternar com sucos naturais e minimamente processados, que mantêm suas vitaminas e minerais e não são acrescidos de substâncias químicas prejudiciais à saúde.

 

REFERÊNCIAS

AGUDO, A. et al. Fruit and vegetable intakes, dietary antioxidant nutrients, and total mortality in Spanish adults: findings from the Spanish cohort of the European Prospective Investigation into Cancer and Nutrition. Am J Clin Nutr., v. 85, n. 6, p. 1634-42, 2007.
ALMEIDA, J. et al. Revisão sistemática de dietas de emagrecimento: papel dos componentes dietéticos. Arq. Bras. Endocrinol. Met., v. 53, n. 5, p. 673-687, 2009.
BONITO, J. A dieta mediterrânica na prevenção de doenças da contemporaneidade: Uma revisão bibliográfica. REBES, v. 6, n.1, p. 27-35, jan./mar. 2016.
MACHADO, A. Dieta mediterrânica: a dieta que protege? Rev. Port. Med. Geral Fam., Lisboa, v. 29, n. 4, p. 265-267, jul. 2013.