O cacau (Theobroma cacao L.) e seus subprodutos são amplamente consumidos em todo o mundo desde a Antiguidade. Possuem excelente aceitação, em parte devido ao sabor diferenciado e ao aroma marcante. Além disso, são destaque no campo científico, em razão de suas propriedades nutricionais.

Quando comparado a outros alimentos de origem vegetal, tal como o chá-verde e o chá-preto, o cacau apresenta maior concentração de compostos fenólicos e capacidade antioxidante. Os principais compostos fenólicos encontrados nas sementes do cacau são as catequinas e epicatequinas, as quais são referidas coletivamente como proantocianidinas.

Com relação à biodisponibilidade, a epicatequina é rapidamente absorvida no sistema digestório humano e é detectável no plasma 30 minutos após a ingestão. As concentrações de epicatequina atingem o pico 2 a 3 horas após a ingestão e retornam ao valor basal por volta de 6 a 8 horas após o consumo.

As epicatequinas do cacau possuem a capacidade de atuarem diretamente sobre o cérebro, o que poderia potencialmente levar à melhora cognitiva. Além disso, exercem várias ações neuroprotetoras, protegendo os neurônios contra os danos induzidos pelas neurotoxinas, reduzindo a neuroinflamação e melhorando a memória, o aprendizado e a função cognitiva. Através de mecanismos diversos, podem, ainda, prevenir o declínio cognitivo relacionado com a idade.

No nível periférico, as epicatequinas conferem benefícios à saúde cardiovascular por meio do aumento dos níveis de óxido nítrico por reflexo da melhoria das funções endoteliais. O óxido nítrico também previne a adesão e a migração de leucócitos, a proliferação das células do músculo liso e a adesão e a agregação plaquetária. Ademais, destaca-se, ainda, as funções antioxidantes e anti-inflamatórias das epicatequinas.

Os flavonoides do cacau ainda mostram potente ação na redução da fadiga mental, diminuição significativa de rugosidade e descamação da superfície da pele, melhora da circulação sanguínea dérmica e da fotoproteção endógena.

Aliado a isso, por ser fonte de triptofano, o cacau tem sido associado à melhora do humor e à redução dos sintomas de ansiedade e de depressão, tendo em vista que o triptofano é precursor da síntese da serotonina, um neurotransmissor calmante, relacionado à sensação de bem-estar.

 

REFERÊNCIAS

ABD EL MOHSEN, M. M. et al. Uptake and metabolism of epicatechin and its access to the brain after oral ingestion. Free Radic Biol Med., New York, v. 33, n. 12, p. 1693-1702, 2002.

FRANCO, R.; OÑATIBIA-ASTIBIA, A.; MARTÍNEZ-PINILLA, E. Health benefits of methylxanthines in cacao and chocolate. Nutrients., Basel, v. 5, n. 10, p. 4159-4173, 2013.

GREENBERG, J. A. et al. Epicatechin, procyanidins, cocoa, and appetite: a randomized controlled trial. Am J Clin Nutr., Bethesda, v. 104, n. 3, p. 613-609, 2016.

KATZ, D. L.; DOUGHTY, K.; ALI, A. Cocoa and chocolate in human health and disease. Antioxid Redox Signal., Larchmont, v. 15, n. 10, p. 2779-2811, 2011.

LATIF, R. Health benefits of cocoa. Curr Opin Clin Nutr Metab Care., London, v. 16, n. 6, p. 669-674, 2013.

MASSEE, L. A. et al. The acute and sub-chronic effects of cocoa flavanols on mood, cognitive and cardiovascular health in young healthy adults: a randomized, controlled trial. Front Pharmacol., Lausanne, v. 6, n. 93, p. 1-26, 2015.

MASTROIACOVO, D. et al. Cocoa flavanol consumption improves cognitive function, blood pressure control, and metabolic profile in elderly subjects: the Cocoa, Cognition, and Aging (CoCoA) Study–a randomized controlled trial. Am J Clin Nutr., Bethesda, v. 101, n. 3, p. 538-548, 2015.

NEHLIG, A. The neuroprotective effects of cocoa flavanol and its influence on cognitive performance. Br J Clin Pharmacol., London, v. 75, n. 3, p. 716-727, 2013.

SCAPAGNINI, G. et al. Cocoa bioactive compounds: significance and potential for the maintenance of skin health. Nutrients., Basel, v. 6, n. 8, p. 3202-3213, 2014.