Por: Ascom/Anvisa
Publicado: 13 de Dezembro de 2017

As taxas de obesidade infantil estão crescendo mundialmente. As crianças pequenas gastam a maior parte do tempo na escola, consumindo uma grande parte de suas calorias diárias lá e desenvolvendo hábitos alimentares e preferências alimentares ao longo da vida com seus pares.

Uma questão que se faz é: as escolas influenciam o peso?

Um estudo publicado no International Journal of Obesity descobriu que as escolas com os ambientes alimentares mais insalubres eram mais propensas a estar localizadas em comunidades desfavorecidas.

Crianças entre 10 e 12 anos, que frequentaram escolas com ambientes alimentares de baixa qualidade, apresentaram mais quantidades de gordura corporal central (ou “adiposidade central” em termos técnicos), após dois anos, do que as crianças que frequentam escolas mais saudáveis.

A gordura corporal central é um tecido adiposo armazenado em torno da cintura e do abdômen, representando risco maior para a saúde em longo prazo que a gordura armazenada em outro lugar do corpo.

Para entender como uma escola podem influenciar o peso de uma criança, foram analisadas informações sobre 431 alunos do ensino fundamental que frequentam 246 escolas.

Todas as escolas foram localizadas em áreas urbanas da província de Québec e foram seguidas como parte de Quebec Adiposa e Lifestyle and Investigation in Youth  – um estudo maior que investiga a evolução e o curso da obesidade na infância.

Reduzir a obesidade infantil requer a compreensão das causas genéticas, psicológicas e socioeconômicas complexas. Nesta amostra, foram estudadas a proximidade e a qualidade dos alimentos que os alunos têm acesso facil na escola.

Identificamos três diferentes tipos de escola:

1) com ambientes alimentares não saudáveis ​​dentro da escola;

2) com ambientes alimentares não saudáveis ​​dentro e ao redor da escola;

3) com ambientes alimentares saudáveis ​​dentro e ao redor das escolas.

O estudo avaliou a saúde do ambiente alimentar dentro de uma escola usando entrevistas com o diretor da instituição, que respondeu a perguntas sobre os alimentos vendidos nas instalações e a qualidade do menu da escola.

Medimos o ambiente alimentar em torno de uma escola pela densidade geográfica de restaurantes de fast food e lojas de conveniência a curta distância.

Finalmente, a gordura corporal central foi avaliada usando tecnologia de raios-X, fornecendo medidas precisas da massa corporal magra e gorda das crianças. As análises levaram em conta vários fatores potencialmente conflitantes, incluindo o status socioeconômico familiar e o peso parental.

Um grande número de países – incluindo o Canadá, os Estados Unidos e o Reino Unido – implementaram políticas para garantir que alimentos de alta qualidade sejam oferecidos e vendidos nas escolas primárias e secundárias.

No entanto, a pesquisa sugere uma desigualdade considerável entre os ambientes alimentares escolares disponíveis para crianças.

Os pesquisadores, os profissionais de saúde e as partes interessadas reconhecem que a prevenção e a redução da obesidade infantil requer uma abordagem multifacetada – que leve em consideração seus fatores biológicos (por exemplo, genéticos), psicológicos (por exemplo, níveis de estresse) e socio-ambientais (por exemplo, a influência de fatores como o bairro e a pobreza).

Mesmo que fatores biológicos e psicológicos contribuam para a obesidade de maneira importante, tem havido crescente interesse em causas sociais e ambientais. Isso porque elas podem oferecer metas rentáveis ​​e modificáveis ​​para intervenções.

Nesse aspecto, o ambiente alimentar escolar é um alvo particularmente atraente para a intervenção, uma vez que a grande maioria das crianças gasta tanto tempo na escola.

O estudo tem limitações, como o fato de a medição do ambiente alimentar escolar ter ocorrido dentro das escolas, baseada exclusivamente em entrevistas realizadas com os diretores das instituições, dependendo da capacidade deles de recordar certos detalhes. Pode também haver uma tendência dos diretores de quererem apresentar suas escolas de forma mais positiva nos relatórios.

As descobertas também são limitadas pelo uso de um projeto correlacional. Não se pode descartar a possibilidade de que algumas características da vida familiar das crianças possam ter determinado o tipo de escola a que frequentaram e seu nível de aptidão física. Para reduzir essa possibilidade, todas as nossas análises levaram em conta a educação e a renda dos pais, dois determinantes importantes do status socioeconômico e da saúde.

Nas escolas sem um programa de almoço, as crianças acabam ficando restritas a alimentos que levam de casa, máquinas de venda automática ou estabelecimentos de alimentação nas imediações. E a amostra foi restrita a crianças caucasianas com um ou dois pais obesos. O risco de desenvolver doenças cardiometabólicas (incluindo obesidade) é considerado maior para aqueles com dois pais com obesidade do que aqueles com apenas um.

Há evidências cuidadosamente concebidas e implementadas de que as intervenções destinadas a melhorar os ambientes alimentares nas escolas podem melhorar a qualidade das dietas infantis.

Os resultados sugerem que os ambientes alimentares em torno das escolas também devem se tornar um alvo de intervenção e política social.

Finalmente, de acordo com as análises do estudo, as escolas em comunidades desfavorecidas podem ter a maior dificuldade em fornecer alimentos saudáveis ​​aos seus alunos.

Novas pesquisas poderiam ajudar a identificar algumas das barreiras que impedem as escolas de implementar políticas de alimentos saudáveis ​​bem sucedidas, a fim de apoiar melhor seus esforços no futuro.

Ambientes alimentares dentro das escolas incluem cafeterias e máquinas de venda automática.

A conclusão dos pesquisadores é de que as melhores chances de ganhar a batalha contra a obesidade e a doença cardiometabólica reside na capacidade de implementar intervenções preventivas o mais cedo possível.

O estudo recomenda aumentar os esforços para criar ambientes alimentares mais saudáveis ​​nas escolas primárias onde as crianças passam a maior parte do tempo, e consomem grande parte das calorias diárias e adquirem a base de hábitos e preferências ao longo da vida.